Você já parou pra pensar sobre o amor? (ok, eu admito que essa pergunta foi estúpida). Não dá pra falar de amor num texto com começo, meio e fim, mas todas as sexta-feiras que passei em casa na época que não existia TV a cabo e eu não tinha idade pra me pirulitar pela rua, me ensinaram as primeiras perguntas que devemos fazer pra entender qualquer pessoa/animal/dieta/doença/etc.:

O que é?
Bom, errr..vamos lá. Aprendemos no colégio que o amor é um sentimento, que ele é abstrato e que ele tem duas sílabas. Eu, hoje, já tenho pra mim que temos mais sensações do que sentimentos. Que porra é essa de sentimento, afinal?? Pra mim, sentir é meio intransitivo. Eu sinto, eu sinto muitooo, eu sinto tudo, ao mesmo tempo, é tudo vida, é tudo amor, não é? (uhul, vou tomar um ácido e sair fazendo malabares por aí). O ódio vem do “amor”, a inveja vem do “amor”, a raiva vem do “amor”. Amor por você mesmo, amor pelo próximo, amor pela natureza (boriiing), amor pelo poder de dizer “estou viva”, estou sentindo que estou viva.

O que come?
como alimentar essa coisinha dentro da gente? I have no fucking idea, mas sei que alimento muito bem o que tem aqui dentro. No início de tudo, é outro alguém que nos alimenta, de comida e de amor. No caso, nossos pais, irmãos, professores. Deve ser difícil. Eu sempre gostei mais de amor do que de comida, sempre pedi muito mais amor do que comida. Depois de um tempo passamos a nos alimentar sozinhos. Mas como?? No caso do amor, sem querer ser redundante, amando, principalmente, amando-se. Fala sério, se olhar no espelho, perceber que você existe e que existe algo tão maravilhosamente bizarro quanto um espelho (sério, tenho certeza que existe vida além do espelho) já é motivo suficiente pra se encher de amor. E além disso, depois que você já tem um pouco de amor dentro de você, acho que ele vai fazendo metástase, multiplica rápido, e vai consumindo você inteiro.

Como ele vive?
Ele vive MUITO BEM, obrigada!!! (desculpem se sou engraçadérrima) Só que sério, essa eu não sei responder. Não sei porque, nem como ele vive. Nem onde ele vive. Só sei que ele é grande o suficiente pra fazer a gente superar o inferno que é a Terra e o inferno que seriam as pessoas sem ele. Acho que ele vive disso, das pessoas o perceberem. Ele cresce quando você olha praquela pessoa gelada coberta por uma capa dura de cimento, e vê o olho dela brilhando. Foda-se o motivo. Todo mundo ama. Eu conheço, várias pessoas frias, pseudo invulneráveis e já vi amor no olhar deles. Eles amam como podem, amam mal (risos), amam envergonhados, mas amam. O amor não morre, não falha, então não importa como ele vive, o que importa é que ele vive.

Cadê meu diploma de filosofia, professor Vinny Mexe a Cadeira?????

Anúncios